terça-feira, 6 de janeiro de 2009


Deveria haver algum decreto
Que obrigasse o tempo a desacelerar
E a respeitar meu projeto.
Só assim, eu daria conta
Dos livros que vão se empilhando,
Das melodias que estão me aguardando,
Das saudades que venho sentindo,
Das verdades que ando mentindo,
Das promessas que venho esquecendo,
Dos impulsos que sigo contendo,
Dos prazeres que chegam partindo,
Dos receios que partem voltando.
(Flora Figueiredo)

4 comentários:

Susanna disse...

aliceamigadeinfancia, tb tenho mentido algumas verdades e contido alguns implusos... mas sempre chega a hora em que pode-se dar lugar ao que se é, sem culpa, e sem culpar o tempo por não tê-lo sido antes!

Fabiano Barreto disse...

Poema do caralho, hein!!!

Joinha, joinha!!!!

Anônimo disse...

irmã... muito lindo seu blog, parece mesmo com vc... me ajuda a fazer um, te amo!!!

Amanda disse...

Lindo...