quarta-feira, 12 de março de 2008


Alice ri-se e eu caibo na sua minúscula mão.
Alice ri-se e o meu mundo é uma manta no meio do chão.
Ali se vence a vida por estar cá sem querer razão .
Alice ensina-me a aprender essa lição.
Alice ri-se e o seu riso é a minha salvação.
Sempre que chega, Alice traz-me a sua boa disposição.
Alice, nos caminhos vamos perder-nos da mão.
Mas, Alice, estes momentos ninguém leva de onde estão
segredos sagrados, seguros no meu coração.
Alice ri-se e o resto é como se não visse.
Como se cessasse tudo e o mundo inteiro se resumisse a um grande nada, a uma imensa parvoíce que existe só para que exista a Alice;
que existe só para vermos rir a Alice.

2 comentários:

4tunato disse...

nuuuuu!!! lindo poema!!! inspirador :)! gostei de todos os posts o/ bjo

HOVO disse...

Sr. Alice Saraiva, rindo de si mesma? E monografia em Turismo, qual o tema ?
Essa vida de monografia é complicada mesmo.
Vamos rir, vamos sorrir, não vamos esperar a chuva lá fora passar pra correr e brincar.
Beijos menina